Invista na inteligência emocional dos seus filhos

As crianças conhecem cada vez mais a respeito da natureza, das tecnologias e do mundo, e conhecem cada vez menos a respeito de si mesmas.

No último post falamos a respeito do uso das mídias virtuais.

Hoje vamos comentar a respeito da inteligência emocional.

O desenvolvimento de nossos filhos deveria ser harmônico e integral. Muitas vezes, nós, pais, acabamos focando mais no desenvolvimento físico e intelectual (que é mais visível e quantificável), e esquecemos do emocional e afetivo.

As crianças conhecem cada vez mais a respeito da natureza, das tecnologias e do mundo, e conhecem cada vez menos a respeito de si mesmas. E o autoconhecimento é fundamental para aumentar a qualidade dos relacionamentos, de ter amigos e ser cada vez mais feliz.

Pesquisas revelaram que de cada duas pessoas, uma está vivendo a “síndrome do tempo acelerado”, que ocasiona vários desequilíbrios mentais e emocionais como depressão, angústia, stress, cansaço, déficit de atenção e até mesmo pensamentos de suicídio.

É comum muitas de nossas crianças já acordarem cansadas e demonstrarem pouca capacidade de concentração e foco. São sintomas de uma rotina repleta de atividades e uma falta de espaço para elas simplesmente ficarem sem “fazer nada”.

Em outro post, justamente comentamos a respeito da necessidade e grande importância do tempo livre e do brincar.

As crianças precisam de tempo para contemplar, pensar e desenvolver sua imaginação.

Então, pais e a escola, devem contribuir para que as crianças aprendam, desde pequenas a perguntar, relacionar conceitos, questionar o significado e valor das coisas e muito importante, também a pensar sobre suas realidades internas, como as suas emoções e seus sentimentos.

Este aprendizado é fundamental para o sucesso do seu desempenho acadêmico e, mais tarde, profissional e familiar.

Na Escola AeD, por exemplo, existe um programa específico de gestão da emoção dos alunos. O desenvolvimento afetivo e emocional deve fazer parte do processo pedagógico e educativo, pois é essencial para a alegria de viver e a criação de mentes brilhantes.

Além de ensinar as línguas a nossos filhos, é importante fomentar um debate de ideias e a capacidade de pensar antes de reagir.

Desenvolver a afetividade significa ajudar o autoconhecimento dos filhos e a refletirem sobre suas emoções e consequentes ações.

(Via agência de notícia)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *