Como se fará sexo num futuro próximo?

Sylvester Stallone e Sandra Bullock já nos deram uma dica. Espante-se ou arrepie-se com o futuro das relações.

Para muitos, o sexo pode ser um tabu, mas tudo isto está a mudar, até a forma como fazemos sexo. Teria coragem de fazer um modelo 3D dos seus genitais? Ou fazer sexo com um robot? Tudo isto pode acontecer mais rápido do que imagina. Para breve prevê-se a comercialização de roupa que permite transmitir sensações ou até aparelhos que conseguem estimular o seu companheiro à distância.

Misturar tecnologia e sexo pode não soar bem por enquanto, mas, quando olhamos para a evolução tecnológica dos últimos 20 anos, percebemos que alguma dessa tecnologia veio para ficar e que precisamos dela em áreas da nossa vida que nunca imaginamos, como por exemplo para fazer amigos.

Empresas surgem com produtos virados para o cibersexo

“A tecnologia está em todo o lado, então também podemos utilizá-la para manter as nossas relações fortes”, afirmou Suki Dunham, criadora de OhMiBod blueMotion, um vibrador controlado remotamente através de uma aplicação para smartphone.

Dunham é uma empreendedora de uma lista cada vez maior de “geeks” que preferem colocar a sua inteligência ao serviço do ponto G. Suki trabalhou nove anos na Apple antes de fundar a sua empresa com o marido Brian. A sua ideia nasceu da frustração de estar longe do companheiro. “Ele costumava viajar muito, e nós pensámos… Não seria óptimo se tal coisa existisse? Foi assim que decidimos criar os nossos produtos”, afirma a criadora.

O uso de teledildos

No entanto, o campo dos “teledildos” – termo técnico para dildos controlados remotamente – está a ficar lotado. A Kiiroo, por exemplo, tem dispositivos semelhantes para ambos os sexos, incluindo uma plataforma de comunicação para as pessoas se “ligarem” de forma mais íntima e real. Já o Mojowijo usa uma Nintendo Wii para transferir vibrações de um “Wiimote” para outro, permitindo que o casal se estimule à distância.

Seja amante, ou não, das novas tecnologias, é unânime que elas estão cada vez mais presentes nas nossas vidas e não são raras as vezes em que relações começam através das redes sociais. Será que estamos preparados para ver as máquinas a assumir um papel tão importante como servir de intermediário entre o amor de um casal?

Tudo isto pode parecer muito longínquo, mas a verdade é que já se pensa neste tema há alguns anos. Prova disso é o famoso filme “Demolition Man”, de 1993, onde Sandra Bullock e Sylvester Stallone protagonizam uma escaldante cena de cibersexo onde Joseph Dredd, personagem desempenhada por Stalone, parece preferir o pecado original.

 (Via agência de notícia)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *